Supermercado Real POP UP 2
Lettech 970x90
LUIZINHO AR CONDICIONADO 970X90
POLÍTICA

Toffoli diz que 'se tudo vai parar no Supremo, é o fracasso da sociedade, não a solução'

Em evento para banqueiros em SP, ministro do STF diz que país ficou 'travado em 4 anos em um moralismo enfrentando questões de ordem e esquecendo o progresso'.

12/08/2019 15h24
Por: Redação
Fonte: Por Tahiane Stochero, G1 SP
Imagem: Carlos Moura/ STF
Imagem: Carlos Moura/ STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, disse na manhã desta segunda-feira em São Paulo que "a quantidade de informações presentes na Constituição leva tudo ao STF". "Se tudo vai parar no Supremo, é o fracasso da sociedade, não a solução", defendeu.

"Menos Constituição é menos judicialização", defendeu o ministro em evento com banqueiros na capital paulista.

"Toda reforma da Constituição traz mais peso, maior judicialização. Toda a vida das pessoas vai parar no Judiciário", explicou. "Resguardadas as garantias fundamentais, o que mais precisa estar na Constituição?", questionou.

Segundo Toffoli, o Judiciário atua como 'poder moderador' entre as instituições, comparado, segundo ele, ao papel desempenhado pelos militares no passado no país. Ele criticou, porém, o aumento da participação do STF nas questões políticas.

"Se o Judiciário for além dos seus limites, ele vai ter o mesmo desgaste e o mesmo problema que as Forças Armadas tiveram no passado", salientou ele, defendendo que os meios políticos devem achar soluções para os problemas, "porque o Judiciário só faz soluções provisórias. O Judiciário não é para decidir o presente, mas o passado", afirmou.

Segundo Toffoli, "o Brasil ficou travado em quatro anos num moralismo enfrentando questões de ordem e esquecendo o progresso". "Você nunca vai ter progresso se tiver que ter ordem como uma premissa", salientou.

"A arte da política não é atacar o outro para se autopromover. O juiz tem que ter prudência, tem que ter autocontrole. O poder de um juiz nos STF é muito grande. Os conflitos dos partidos e entre os poderes vão parar no Supremo", disse.

Toffoli defende que a reforma tributária faça “a revogação” do artigo 192 da Constituição do Brasil que trata do sistema financeiro nacional.

Ele defendeu também a necessidade da edição de uma lei complementar para a regulamentação da participação de capital financeiro internacional nas instituições. A lei complementar teria que ser criada pela União, e nunca foi criada, levando, assim, todas as questões sobre o tema ao Supremo.

 

Diz o artigo 192: "O sistema financeiro nacional, estruturado de forma a promover o desenvolvimento equilibrado do País e a servir aos interesses da coletividade, em todas as partes que o compõem, abrangendo as cooperativas de crédito, será regulado por leis complementares que disporão, inclusive, sobre a participação do capital estrangeiro nas instituições que o integram."

Toffoli defendeu o atual governo federal, afirmando que deve ser “respeitado”.

"O Supremo tem que ter autocontrole e respeitar os outros poderes. Temos que respeitar resultado das urnas, que foi o resultado de 2018. A sociedade tem pressa e quer resultados e serviços públicos funcionando", defendeu o ministro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Santo Antônio da Platina - PR
Atualizado às 13h11
31°
Poucas nuvens Máxima: 32° - Mínima: 17°
29°

Sensação

20 km/h

Vento

21.7%

Umidade

Fonte: Climatempo
Lettech 300x600
Ademir Imóveis 300x600
Cinema Caffe 300x600
Foto Valdir
Lettech 300x250
Rodoviário Afonso 300x250
CINEMA CAFFE 300x250
RM AR CONDICIONADO
CDS 300x250
SICOOB
PIPELINE PISCINAS
Foto Valdir
Últimas notícias
LUIZINHO AR CONDICIONADO 300X250
SCHMIDT MOTOS 300x250
Mais lidas
NEFERSON 300x250 NOTÍCIAS
Óptica Visão
Supermercado Real 300x250 nas notícias
CENTRO AUTOMOTIVO BEIRA RIO 300x250 INTERNA
AUTOAR REVISORA 300x250