Supermercado Real POP UP 2
LUIZINHO AR CONDICIONADO 970X90
Lettech 970x90
CRUZEIRO

Rogério Ceni vive "momento mágico" no Cruzeiro e vê desafio na Copa do Brasil como motivação

Treinador, que estava no Fortaleza, assume vaga deixada por Mano, na semana passada, e mira, também, recuperação no Brasileiro, competição em que o time está na zona de rebaixamento

13/08/2019 17h03
Por: Redação
Fonte: Por Gabriel Duarte — de Belo Horizonte
Gabriel Duarte
Gabriel Duarte

O técnico Rogério Ceni, ex-Fortaleza, foi oficialmente apresentado pelo Cruzeiro. Na entrevista coletiva na Toca da Raposa, na tarde desta terça-feira, ele estava acompanhado pelo presidente Wagner Pires de Sá e por Marcelo Djian, diretor de futebol. Ceni disse estar vivendo um "momento mágico" e garantiu: a oportunidade de chegar a uma final de Copa do Brasil - está na semifinal, contra o Inter - foi um dos grandes fatos que o motivou a aceitar o desafio de comandar o time celeste.

- Isso aqui é um momento mágico na carreira de qualquer pessoa. de poder chegar num clube como o Cruzeiro, bicampeão (consecutivo) da Copa do Brasil. Temos esse jogo contra o Inter, em Porto Alegre, com todas as dificuldades, favoritismo pelo resultado do primeiro jogo.

 

"Talvez tenha sido um dos grandes fatos que tenha me trazido aqui. Não se joga fora a oportunidade de ser campeão quando se trata de Cruzeiro. Vamos tentar nos reencontrar nessa competição e, principalmente, no Campeonato Brasileiro"
O Cruzeiro disputa a semifinal com o Internacional, e a ida, no Mineirão, teve vitória gaúcha por 1 a 0. Para avançar à decisão, a Raposa precisa vencer no Beira-Rio, dia 4 de setembro, por dois gols de diferença. Triunfo pela diferença mínima leva a decisão da vaga para os pênaltis.

Rogério Ceni chega à Toca para substituir Mano Menezes, que ficou no Cruzeiro entre julho de 2016 e foi demitido na semana passada, após derrota para o Internacional, na ida da Copa do Brasil. A equipe venceu apenas uma das últimas 19 partidas no ano e está na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

Ceni desembarcou no aeroporto internacional de Belo Horizonte no início da manhã desta terça-feira e foi direto para a Toca da Raposa, onde assinou o contrato válido até o fim de 2020 e aproveitou para conhecer a estrutura do CT cruzeirense, a qual elogiou bastante.

- Muito bonito (o centro de treinamentos). Eu vim há pouco tempo, vim treinar com o Fortaleza. Conheci só os dois campos do fundo, que são gramados fantásticos. Não conhecia a estrutura interna. Fiquei impressionado. Não imaginava uma condição tão boa pra trabalhar. A bola não entra por acaso, ninguém é campeão seguidamente sem ter uma estrutura como essa. Isso é mais um motivo pra gente tentar reagir o mais rápido possível.

A principal missão dele em 2019 será melhorar o desempenho do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro. A equipe está na zona de rebaixamento, em 17ª, com 11 pontos em 14 rodadas. O time não vence há 11 rodadas na competição. O último triunfo foi sobre o Goiás, na terceira rodada, por 2 a 1, no Mineirão. O primeiro adversário dele no torneio será o líder Santos, no domingo, às 16h (de Brasília), no Mineirão.

 

Elenco vitorioso

 

No início desta tarde, Rogério Ceni teve o primeiro contato com o elenco do Cruzeiro, que passa por um momento ruim e que, depois de três anos, terá um comandante diferente. Segundo Ceni, o mais importante neste momento é fazer com que os atletas se sintam bem. Ele ainda fez questão de valorizar os jogadores vencedores que o grupo celeste tem.

 

- O mais importante, e falei para eles, é que se sintam bem, felizes. É um paraíso poder trabalhar no CT como esse. São extremamente valorizados, têm uma história aqui dentro já construída, a maioria deles. Quem já foi campeão, sabe o caminho. É questão de atitude, de foco mantido. Sabem como é chegar ao título. Quem ganhou uma vez na vida, não esquece o sabor. O sabor da vitória é incomparável.

 

Ceni afirmou que conta com os jogadores experientes e vitoriosos para fazer um bom trabalho e que espera ser fonte de inspiração para o elenco cruzeirense e reiterou: é possível passar pelo Internacional na Copa do Brasil.

- Acho que a liderança, hoje, vai ser exercida por todos aqueles jogadores com maior experiência, que já conhecem muito a história do Cruzeiro. Jogadores que têm anos de casa, títulos e mais títulos. Espero ser fonte de inspiração pra eles, do desejo de trabalhar todos os dias, da alegria de vir aqui, começar um novo trabalho. Mas eu dependo muito deles. A minha vontade de vencer nunca acabou. Espero contagiá-los. O talento é deles, logicamente há ajustes que a gente pode fazer para ajudar. O desejo de vitória tem que ser deles. O desejo de vitórias tem que estar no campo. É uma partida extremamente difícil (contra o Inter), um time extremamente competitivo. Mas é um resultado possível.

 

 

Reforços?

 

A chegada de um novo treinador levanta, sempre, a expectativa da contratação de reforços. E no Cruzeiro não é diferente, principalmente por estar na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. A posição de mais atenção no momento é o meio-campo. No meio do ano, a equipe perdeu os volantes Lucas Romero e Lucas Silva. Questionado sobre o assunto, Rogério disse que vai observar os atletas da posição que estão no elenco (Ariel Cabral, Henrique, Jadson, Éderson e Adriano).

 

- Estou atento aos cinco jogadores da posição que o Cruzeiro tem. Quanto ao mercado, acho que é mais fácil o Marcelo (Djian) comentar. Qualquer comentário interno eu acho que a direção fica mais respaldada que eu para falar.

 

 

Utilização de Fred

 

Um dos desafios que Rogério Ceni tem no Cruzeiro é recuperar a boa fase do atacante Fred, que iniciou o ano bem, foi artilheiro do Campeonato Mineiro, mas vive jejum de 16 partidas sem balançar as redes. O novo treinador elogiou as características do centroavante, mas garantiu que vai trabalhar com quem está com a melhor condição física.

- É um jogador de área, apesar de fazer proteção. Boa finalização. Vamos trabalhar com ele igual a um garoto de 20 anos, fazer com que tenha o espírito cada vez mais jovem e tirar o melhor dele. A qualidade eu sei que ele tem. O tempo passa para todos e não é fácil se manter bem fisicamente. Vou dar, neste começo de trabalho, a prioridade a quem tenha condição física. Vou torcer para que ele esteja bem. É um camisa 9 clássico, de área, e espero que ele possa ajudar bastante.

Crise administrativa

 

Além do momento complicado dentro do campo, o Cruzeiro também passa por uma crise financeira e administrativa sem precedentes na história do clube. Questionado sobre uma possível influência disso no time, Ceni afirmou que, num primeiro contato, não sentiu uma reação do elenco em relação a isso.

 

- Pelo que vi hoje, pela maneira que vi os jogadores, vejo um ambiente extremamente saudável. Eu sou técnico do Cruzeiro, minha função é dentro das quatro linhas. Não vi absolutamente nada que pudesse provocar uma reação diferente dos atletas. Vamos trabalhar todos os dias. São coisas distintas, eu acho. E também, honestamente, estou chegando agora, não tenho uma noção exata do que se passa. Mas vamos trabalhar com futebol, dentro do campo, preocupado com resultados. E com o futebol, tentando jogar um futebol cada vez melhor.

 

Trabalho com a base

 

Rogério Ceni também foi questionado sobre a utilização dos jogadores da base, que passaram a ter mais espaço na equipe principalmente em função das mudanças que o elenco sofreu no meio do ano. Os exemplos: o volante Éderson passou a ter mais oportunidades por causa das saídas de Lucas Romero e Lucas Silva; o lateral-direito Weverton atuou em meio às lesões de Edilson e Orejuela; e Maurício tem entrado nas partidas desde que Rodriguinho foi para o departamento médico. O novo treinador disse que ainda precisa conhecer os jovens do elenco, mas que não vê problema em trabalhar com garotos que sobem da base.

 

- No São Paulo, quando cheguei, em 2017, o clube não tinha condição de fazer contratações, investir em contratações. Nós puxamos seis ou sete jogadores da base. Jogadores que, juntos, durante aquele mesmo ano, renderam mais de R$ 180 milhões ao clube em vendas. Pra mim, futebol não tem idade. Preciso de caras que tenham alma, coração. Aos 20 ou aos 35 anos, se eles deixarem o melhor deles dentro do campo, pra mim é o que basta. E eu preciso conhecer um pouco mais esses jovens jogadores (do Cruzeiro). Os mais velhos eu enfrentei ao longo da carreira. Os mais jovens vou tentar aprender o mais rápido possível sobre eles. Mas sem problema nenhum, não vejo problema em trabalhar com jogadores que sobem das categorias de base. O bom jogador sempre tem seu espaço.

 

Herança do Fortaleza

 

Rogério Ceni iniciou a carreira de treinador em 2017 e onde ele atuou em todos os anos da trajetória como goleiro: no São Paulo. O desempenho irregular acarretou na demissão em julho daquele ano, tendo comandado o time em 37 partidas, com 14 vitórias, 13 empates e dez derrotas, acumulando 49,5% de aproveitamento. No início de 2018, Ceni assumiu o comando do Fortaleza e lá conseguiu desempenhar um ótimo trabalho. Conquistou a Série B do ano passado e, neste ano, conduziu a equipe nordestina aos títulos do Campeonato Cearense e da Copa do Nordeste. O treinador falou o que traz do Leão do Pici:

 

- O que eu trago (do Fortaleza)? A inspiração, a transpiração, o que aqueles caras (jogadores do Fortaleza) me ensinaram como treinador. A motivação. Sou um cara que está começando a carreira de treinador, tenho três anos como treinador de futebol. Ter a oportunidade de trabalhar em um clube desse tamanho é sinônimo de energia, de fazer com que as coisas aconteçam, de tentar ajudar os jogadores, que são os protagonistas, a desempenharem melhor o seu papel. Eu posso dar a direção, mostrar o caminho, achar os buracos do jogo, mas aos protagonistas, que são eles, cabe decidir as partidas.

 

Relação com o Cruzeiro

 

A relação de Rogério Ceni com o Cruzeiro vem desde os tempos de jogador. Ele era dono da bola parada do São Paulo, e seis dos 131 gols que ele marcou, entre cobranças de faltas e pênaltis, foram na Raposa, maior vítima dele na carreira.

- Não existe vítima. Eu fiz gols, mas tomei muitos. Talvez eu fui mais vítima. Perdi uma Copa do Brasil aqui, em 2000. E a minha última Libertadores acabou aqui no Mineirão, em 2015. Eu peguei pênalti, o Fábio pegou também e eliminou o meu último sonho de ser campeão da Copa Libertadores. Sofri muito com o Cruzeiro. Mais do que os gols feitos, sofri pelo grande clube que é.

 

Antes de ser a maior vítima de Rogério, o Cruzeiro esteve perto de tê-lo como defensor da meta celeste. O agora treinador relembra o quase acerto, que aconteceu em 2000, e disse que espera construir uma longa história na Raposa.

- Vai fazer 20 anos isso. O goleiro do Cruzeiro era o André. Naquele momento, houve uma possibilidade de negociação do André para o São Paulo e minha vinda ao Cruzeiro. Mas não se concretizou. Construí minha história como atleta toda no São Paulo e hoje espero começar a construir história longa no Cruzeiro. Assim espero.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Santo Antônio da Platina - PR
Atualizado às 13h11
31°
Poucas nuvens Máxima: 32° - Mínima: 17°
29°

Sensação

20 km/h

Vento

21.7%

Umidade

Fonte: Climatempo
Foto Valdir
Ademir Imóveis 300x600
Cinema Caffe 300x600
Lettech 300x600
Rodoviário Afonso 300x250
CINEMA CAFFE 300x250
RM AR CONDICIONADO
Lettech 300x250
SICOOB
Foto Valdir
CDS 300x250
PIPELINE PISCINAS
Últimas notícias
SCHMIDT MOTOS 300x250
LUIZINHO AR CONDICIONADO 300X250
Mais lidas
Óptica Visão
Supermercado Real 300x250 nas notícias
NEFERSON 300x250 NOTÍCIAS
AUTOAR REVISORA 300x250
CENTRO AUTOMOTIVO BEIRA RIO 300x250 INTERNA