Supermercado Real POP UP 2
Lettech 970x90
LUIZINHO AR CONDICIONADO 970X90
INTERNACIONAL

Irã admite que derrubou avião ucraniano por engano; presidente diz que tragédia é 'imperdoável'

Investigação confirmou hipótese de vários países, de que míssil abateu Boeing e matou 176 pessoas na quarta-feira (8). Segundo comunicado, foguete foi disparado por erro humano.

11/01/2020 11h59
Por: Redação
Fonte: Por G1
Aviação Civil do Irã apresentou imagem de caixa-preta do avião na sexta-feira (10) — Foto: Iran Press / AFP
Aviação Civil do Irã apresentou imagem de caixa-preta do avião na sexta-feira (10) — Foto: Iran Press / AFP

O Irã anunciou neste sábado (11) que seus militares derrubaram sem intenção o avião ucraniano que caiu na quarta-feira (8) perto de Teerã. Na tragédia morreram 176 pessoas. O presidente iraniano, Hassan Rouhani, chamou o desastre de "erro imperdoável".

 

Militares informaram que o avião voava perto de um local sensível e foi derrubado devido a um erro humano. O comunicado lido na TV estatal diz que as partes ​​responsáveis serão punidas.

Operador tomou 'má decisão'

 

Amir Ali Hajizadeh, o comandante das forças aeroespaciais, afirmou que a Guarda Revolucionária aceita a responsabilidade plena pelo incidente.

A Guarda Revolucionaria explicou que o operador do sistema de defesa confundiu o avião com um míssil de cruzeiro.

 

Hajizadeh afirmou em uma declaração televisionada que o operador teve 10 segundo para decidir se iria disparar ou não, mas que ele tentou contatar seus superiores para obter a aprovação para efetuar o disparo, mas que o sistema de comunicação falhou e ele tomou "uma má decisão".

 

O avião foi derrubado por um míssil de curto alcance, segundo ele.

 

O comandante revelou neste sábado (11) que já sabia que o avião ucraniano foi derrubado por um míssil desde o dia em que o incidente aconteceu, 8 de janeiro.

 

“Eu desejo que pudesse morrer sem testemunhar um acidente como esse”, disse Hajizadeh. “Naquela noite estávamos prontos para uma guerra total”, disse ele. As unidades de defesa estavam em alerta e havia reforço ao redor de Teerã.

A Guarda Revolucionária havia pedido para que aviões comerciais não voassem, mas o pedido não foi cumprido, de acordo com ele. Hajizadeh relatou que na própria quarta (8) ele já tinha conhecimento de como se deu a derrubada.

“Eu informei as autoridades, eles precisavam examinar e checar o acidente; daí, isso foi para (os superiores militares) que agiram rapidamente e dentro de 48 horas essas checagens foram feitas”, disse.

 

Líderes dizem que vão investigar de quem é a culpa

 

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, escreveu em uma rede social que uma investigação interna das Forças Armadas concluiu que a aeronave foi abatida por mísseis. Segundo o líder do Irã, as apurações sobre "essa grande tragédia e erro imperdoável" continuam.

O líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei, manifestou seus "profundos sentimentos" às famílias das vítimas e pediu para que as forças armadas "busquem os erros prováveis e a culpa no incidente doloroso".

 

Rouhani também declarou que seu país "lamenta profundamente". As Forças Armadas iranianas prestaram condolências a todas os parentes das vítimas. O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohamad Zarif, também disse lamentar profundamente e pediu desculpas às famílias e aos mortos.

 

"É um dia triste", escreveu Zarif, o ministro de Relações Exteriores, em uma rede social, citando um "erro humano em tempos de crise causada pelo aventureirismo dos americanos. Nosso profundo arrependimento, desculpas e condolências ao nosso povo, às famílias de todas as vítimas e às outras nações afetadas".

 

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, cobrou um pedido oficial de desculpas de Teerã e pediu que as investigações sobre o desastre continuem.

 

Indícios

 

Canadá, Reino Unido e EUA diziam que o avião, um Boeing 737, foi abatido por um míssil iraniano, provavelmente por engano, e vários vídeos que apontam para esta tese foram postados nas redes sociais.

O Irã, entretanto, negava categoricamente a hipótese até a manhã deste sábado. Na sexta-feira (10), o chefe de aviação civil iraniano, Ali Abedzadeh, mostrou imagens da caixa-preta da aeronave e afirmou que qualquer declaração antes da análise dos dados seria "opinião".

 

O desastre ocorreu na madrugada de quarta (8), logo após o Irã disparar mísseis contra bases militares utilizadas pelas tropas americanas no Iraque, em resposta ao assassinato do general iraniano Qassem Soleimani em um ataque dos EUA.

O voo PS752 da companhia Ukraine Airlines International (UAI) decolou de Teerã rumo a Kiev e caiu dois minutos depois. Todas as 176 pessoas que estavam a bordo morreram no desastre. A maioria das vítimas era iraniana-canadense, mas também havia britânicos, suecos e ucranianos.

 

Vídeo de míssil

Um vídeo de cerca de 20 segundos mostra imagens de um objeto luminoso que sobe rapidamente para o céu e toca o que parece ser um avião.

O vídeo foi publicado por vários meios de comunicação, como o jornal "The New York Times".

Na quinta-feira, o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, afirmou que o Canadá tinha "informações de várias fontes" indicando que "o avião foi abatido por um míssil iraniano", acrescentando que "não foi intencional".

Antes, o presidente americano Donald Trump falou "suspeitas" sobre a queda do avião ucraniano. "Estava voando em uma área bastante difícil e alguém poderia ter se enganado".

Caixa-preta

 

Na sexta-feira (10), o Irã apresentou a caixa-preta da aeronave e prometeu anunciar a causa da queda do Boeing neste sábado. Em uma entrevista coletiva em Teerã, o presidente da Organização de Aviação Civil Iraniana (CAO), Ali Abedzadeh, tinha negado que o avião foi derrubado.

"Uma coisa é certa, este avião não foi atingido por um míssil", disse. Entretanto, Abedzadeh afirmou que as informações das caixas-pretas eram cruciais para a investigação. "Qualquer declaração antes da extração dos dados é uma opinião de especialistas".

Autoridades dos Estados Unidos entregaram ao presidente ucraniano Volodimir Zelenski "dados importantes sobre a catástrofe", segundo anunciou Kiev.

"Junto com o presidente Zelenski nos reunimos com autoridades americanas e recebemos informações que serão tratadas por nossos especialistas", disse no Twitter o ministro ucraniano das Relações Exteriores, Vadym Prystaiko.

Cerca de 50 especialistas ucranianos chegaram a Teerã na quinta-feira para participar da investigação e da análise das caixas-pretas. Uma equipe canadense de dez pessoas está "a caminho" para tratar de questões relacionadas às vítimas.

A agência canadense de segurança nos transportes aceitou um convite da autoridade de aviação civil iraniana para participar da investigação.

Apenas alguns países do mundo, incluindo Estados Unidos, Alemanha e França, têm a capacidade de analisar caixas-pretas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Santo Antônio da Platina - PR
Atualizado às 15h27
33°
Poucas nuvens Máxima: 33° - Mínima: 18°
34°

Sensação

4.5 km/h

Vento

41.5%

Umidade

Fonte: Climatempo
Ademir Imóveis 300x600
Cinema Caffe 300x600
Foto Valdir
TOCA LANCHES
Lettech 300x250
WhatsApp Tá no Site Notícias
Rodoviário Afonso 300x250
RM AR CONDICIONADO
CINEMA CAFFE 300x250
Blogs e colunas
WhatsApp Tá no Site
PIPELINE PISCINAS
SICOOB
KANOA TROPICAL HOTEL
Foto Valdir
CDS 300x250
Últimas notícias
SCHMIDT MOTOS 300x250
LUIZINHO AR CONDICIONADO 300X250
Mais lidas
Supermercado Real 300x250 nas notícias
Óptica Visão
NEFERSON 300x250 NOTÍCIAS
AUTOAR REVISORA 300x250
CENTRO AUTOMOTIVO BEIRA RIO 300x250 INTERNA